Arrumo lugares no meu coração, carrego você na alma, te falo silenciosamente  sobre as canções que não teve tempo de ouvir, os livros que não leu, as ruas que não viram seus pés, partilho a vida nessa comunhão silenciosa, te levando para os lugares onde vou, carregando você no coração,meu jeito de ajeitar a vida...

 (Teresa Gouvêa)

 
Sobre Visitas Indelicadas

A morte faz parte da nossa vida.

As plantas morrem, os bichos de estimação morrem,

as pessoas morrem.

Morrem as paixões, morre o silêncio...

nossa, como tudo é barulhento quando a gente precisa do silêncio!

Tudo é alto, tudo é grito!

Só o Amor não morre.

Amor verdadeiro: este é imortal!

Mas, mesmo com tudo isso, tratamos esta "senhora" como alguém inesperado, desconhecido, intrometido; a própria se convida para entrar e, ao nos deixar, leva um pedaço da gente, sem pedir. Mal educada!

Custava a dona morte ter falado:

- Com licença, posso levar seu pai?

Pensando bem, custava sim. Custava muito.

Porque, educada que fosse, me fizesse tal pergunta,

eu responderia, de pronto:

- Não senhora, não pode. Volte daqui uma eternidade...

Bom dia pai. Quatro meses sem o senhor é uma eternidade!

Mas, tô aqui, e continuo pensando no senhor para acertar.

Te amo prá sempre. E t e r n a m e n t e.

(Elma Dalto Bazoni Salvador)



19/05/2014 | 12:37 Elma Amanda... que lindo nome. Tenho três filhas, a minha filha do meio se chama Amanda. Ela é um doce, como eu acho q vc deve ser também. Obrigada pelas belas palavras. Queria ter poder de arrancar sua dor, mas não tem jeito: ela passa a ser "da casa", uma "quase irmã"... mas, apesar da sua presença constante, com o passar do tempo vamos nos acostumando a ela, e daí não é tão intensa mais. Penso que eu devo a meu pai voltar a amar a vida, pq eu sei, vivo e faço ele estar presente em todos os meus dias, mesmo sem poder abraçá-lo (justamente o que mais me custa: não ter mais o seu abraço...); vc também, Amanda. Tenho certeza que o Gabriel quer que vc volte a amar a vida, mesmo com a dor - tão doída - da sua ausência física. Um grande beijo, fique com Deus, que Ele te abençoe. Se precisar, tô aqui.
02/05/2014 | 13:08 Amanda Tinoco Muito lindo. Parabéns Elma. Sabe, faz pouco mais de 3 meses que a dona morte veio buscar o meu único filho, Gabriel - 16 anos. Agora entendo que tivemos uma "despedida" não anunciada naquele dia pois curtimos juntos alguns bons momentos antes do trágico acidente que culminou em sua partida. Já pensei nisso exatamente como vc colocou... Refletindo que recebi alguns divinos sinais, porém, se o "anúncio" ou "pedido" fosse feito, certamente teria sido negado; e além de trancar o meu anjo a sete chaves em um lugar muito seguro, eu ficaria de guarda na porta como uma leoa ameaçada... Realmente a dona morte não combina com educação...
13/02/2014 | 10:58 teresa vera de sousa gouvea Elma, nessas incursões pela eternidade, conversando com seu pai...está tudo dito, sem necessidade de qualquer complemento...

Site desenvolvido por BRIFA.COM.BR