Arrumo lugares no meu coração, carrego você na alma, te falo silenciosamente  sobre as canções que não teve tempo de ouvir, os livros que não leu, as ruas que não viram seus pés, partilho a vida nessa comunhão silenciosa, te levando para os lugares onde vou, carregando você no coração,meu jeito de ajeitar a vida...

 (Teresa Gouvêa)

 
Sobre Dias Intermináveis

Há dias que são intermináveis...

Dormimos, acordamos e parecemos não sair deles,

Como se ontem fosse amanhã, e depois, e depois...

Os lugares são gelados, falta sol, sobra nuvem,

E as noites são assombradas, repletas de monstros,

Aquela vontade de se manter na cama, com a cabeça coberta,

Como se fossemos crianças tentando evitar os pesadelos...

Mas aí despertamos e percebemos que

Algumas poucas pessoas acenderam a luz,

Vasculharam o quarto,

Tentando espantar o que não se espanta,

Nossos medos, tão inevitáveis...

Talvez esteja aí o significado da vida –

Enxergamos quem acende a luz nos nossos escuros...

(Teresa Gouvea)




(foto de Pacheco Narezio)




Site desenvolvido por BRIFA.COM.BR