Arrumo lugares no meu coração, carrego você na alma, te falo silenciosamente  sobre as canções que não teve tempo de ouvir, os livros que não leu, as ruas que não viram seus pés, partilho a vida nessa comunhão silenciosa, te levando para os lugares onde vou, carregando você no coração,meu jeito de ajeitar a vida...

 (Teresa Gouvêa)

Terra de Casas Vazias
 
 
André de Leones (Finitude, Luto)
 
 

(Sinopse) No quintal de uma casa no interior de Goiás, em meados dos anos 80, um menino tem o sono assombrado por fantasmas. Por "alguma coisa terrível que ele tinha plena certeza de que estava ali" e que pode dar o bote a qualquer momento. Diante da vidraça de sua sala, já em 2009, uma mulher imersa em luto espera o momento trágico em que as árvores do parque comecem a migrar. Ou a se quebrarem. Porque "tudo se dobra e vai ao chão num estrondo, de um jeito ou de outro, mais cedo ou mais tarde".
A ideia de finitude - com tudo o que carrega de terror e de violência - está sempre à espreita.
É ela que assombra os muitos protagonistas de "Terra de casas vazias", novo romance de André de Leones.
Como em seus livros anteriores, também aqui os protagonistas são muitos.
Suas histórias se entrecruzam, e passeiam por lugares tão diversos quanto São Paulo, Brasília, Israel. Em comum entre elas, a ameaça permanente da tragédia, da transitoriedade, do aniquilamento. 

 
Site desenvolvido por BRIFA.COM.BR