Depois que você partiu…

1212

pexels-dariusz-staniszewski-2828827
(Autoria: Teresa Gouvea)
Depois que você partiu, os sons ficaram diferentes. Escuto o barulho do relógio, dos carros, o riso lá fora, longe. Parece tudo de outro mundo, acho tudo estranho. Sinto falta das mãos, dos olhos e do sorriso. Sinto falta da porta se abrindo, da bagunça, daquela vida suave. Procuro, procuro e, estranho, só consigo encontrar o seu amor no silêncio. No silêncio aprendo outro jeito de amar, como se comungasse com alguém muito maior, e Ele, bondoso, devolvesse as memórias de tudo que havia sido bom. Durmo abraçada com suas lembranças e, nessas horas, no meio da dor sinto gratidão, no silêncio aprendo outro jeito de amar quem partiu e quem ficou.
Você me traz o “nunca mais”, esse lugar absoluto, que solicita outros encontros. Espalho suas fotografias pela casa, ouço as músicas que me trazem seus olhos. Na mesa, a cadeira vazia, você se senta com os sabores que amava.
Os dias oscilam, dias de sol misturados com chuva, dias de amor misturados com dor.
Como dizer que você sumiu se está aqui, sempre. Como dizer que você sumiu, após me oferecer tantos e tantos lugares? A mão nos cabelos, eu menina conhecendo as águas do mar ao seu lado, a risada gostosa diante de coisas tão simples. Como dizer que você sumiu se trago tantas partes que me destes?
A saudade seguirá, com todos os tons possíveis. Eu seguirei, na vida que me foi dada. Nós seguiremos, nos lugares que não morrem e quando eu perceber que você não está, ainda assim estará. Até na falta sua presença.

@lacoselutos_

2 Comentários

    • Querida Elisete, muita gratidão pelo retorno!!

Deixe um comentário