Recomeçar de onde doeu

331

(Teresa Gouvea)
“Adoecemos quando alguém sai de nossas vidas e nos despedimos de nós mesmos, levando o direito de amanhecer. Adoecemos quando as janelas do quarto não se abrem, os lençóis não são esticados, a louça se acumula na pia. Dias em que as miudezas da vida gritam sobre nossa ausência. Sim, é preciso retirar os escombros, apesar dos arranhões e cicatrizes, brigar com as demolições, retirar os tijolos possíveis e recomeçar de onde não deu mais, recomeçar das despedidas, do amor que não deu certo, do desemprego. Recomeçar de onde doeu.”
(do livro Laços e Lutos)

ri

 

Compartilhe
AnteriorPalestra
PróximoCerejeiras em Flor

Sem comentários

Deixe um comentário